BlogPor que contratar um arquiteto?

É comum escutarmos que arquitetos deixam a obra mais cara e criam projetos que são quase impossíveis de serem realizados. Entretanto, ao contrário do que se lê, se ouve e se prega, este profissional foi treinado para otimizar espaços e custos. Durante quatro ou cinco anos universitários (e outros tantos mais de prática), ele aprende sobre a melhor maneira de solucionar espaços arquitetônicos – iluminação, ventilação e circulação – sempre preocupado com seu entorno. Sem contar os conhecimentos prementes de ecologia e arquitetura autossustentável.

O Arquiteto minimiza estruturas e instalações (elétrica, hidráulica e esgoto), coordenando suas interligações para que todos os elementos sejam compatíveis; une forma e função na proporção estética interior x exterior, dentro do contexto orientação geográfica, condições climáticas e topografia. Tudo isso dentro de uma ideia original, é claro!

O Arquiteto desenvolve um projeto executivo a partir do anteprojeto – que é apenas a parcela que o leigo re(conhece) – onde os detalhamentos (de alvenaria, esquadrias, marcenaria, banheiros e cozinhas) viabilizam a construção. Nos projetos públicos existe ainda a preocupação com o simbolismo. Ele também acompanha a execução da obra, tirando dúvidas dos operários e solucionando as novas demandas dos proprietários em tempo hábil para que o seu cronograma não seja prejudicado. É ainda o coordenador de projetos complementares como paisagismo, luminotécnica e sonorização.

Além de todos os itens já citados, o Arquiteto se mantém informado sobre os novos materiais lançados no mercado e equilibra suas texturas e cores, muitas vezes utilizando-a de maneira não tradicional. O Arquiteto desenha perspectivas (à mão livre, ou no computador) e elabora maquetes para que o cliente possa melhor compreender sua concepção, além de dominar programas computacionais como Autocad, Corel Draw e Photoshop, que tornam o projeto mais dinâmico. Sem o uso de programas computacionais, muitos projetos não poderiam se viabilizar devido à complexidade de suas propostas. O Arquiteto brilha em outras áreas também, sendo reconhecidos como designers de mobiliário, artistas plásticos, luminotécnicos, cenógrafos ou até mesmo cineastas. Isto porque o conhecimento tecnológico e artístico que ele deve absorver habilita-o a trilhar diversos caminhos. Dele ainda se espera que esteja atualizado sobre o que há de mais contemporâneo no mercado nacional e internacional. É importante contratar (desde o início) este profissional para todo tipo de intervenção (projetos, obras, reformas), seja esta residencial, comercial ou institucional, de pequeno ou grande porte. Afinal, sua casa não é produto descartável e seu tempo também é precioso. O que não falta são exemplos de reformas mal acabadas com instalações que não funcionam, ausência de ergonomia básica, obras intermináveis onde o custo dos erros é sempre do proprietário. A expressão popular “o barato sai caro” cairia como uma luva na grande maioria dos casos.  Portanto, INVISTA no arquiteto!

Fonte: Fórum da Construção  

Artigos Relacionados

  • Introdução aos Princípios Arquitetônicos

    Introdução aos Princípios Arquitetônicos

    Analisar um ambiente parece algo simples: paredes, objetos, cores e texturas. Mas para os profissionais que trabalham com o espaço, esta é uma tarefa bem mais complexa: planos, superfícies, formas, escalas, texturas, cores...

  • Brasileiros aceitam pagar mais por imóveis com inovação tecnológica

    Brasileiros aceitam pagar mais por imóveis com inovação tecnológica

    Brasileiros aceitariam pagar mais por imóveis com inovação tecnológica, num percentual que cresce na proporção de sua renda. É o que diz o estudo "A inovação na construção civil no Brasil sob a ótica do consumidor", realizada pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e coordenada pelo Instituto Sensus.

  • Divina Proporção

    Divina Proporção

    Todos nós já ouvimos falar em número PI. É o irracional mais famoso da história, com o qual se representa a razão constante entre o perímetro de qualquer circunferência e o seu diâmetro (é conhecido "vulgarmente" como 3,1416, mas equivale a 3.141592653589793238462643383279502884197169399375). Não confundir com o número Phi que corresponde a 1,618. O número Phi (letra grega que se pronuncia "fi") apesar de não ser tão conhecido, tem um significado muito mais interessante.

  • 7 funções do espelho que você deveria conhecer

    7 funções do espelho que você deveria conhecer

    Os espelhos sempre despertaram em nós um poder de sedução e magia. Mais do que um item funcional para o dia a dia, o espelho sempre foi um elemento de destaque na decoração dos diversos ambientes da casa. Eles são peça-chave na decoração moderna de interiores, com as mais variadas funções. A PS do Vidro destacou, a seguir, algumas que você deveria conhecer.

  • Ordem na Cozinha em 13 Passos

    Ordem na Cozinha em 13 Passos

    Como dobrar os panos de prato? Onde vai o que na geladeira? E as panelas: guardar com ou sem tampas? Resolvemos essas e outras questões básicas para ter uma cozinha arrumada e, melhor, superfuncional.